Home ¬Ľ UPDATE: Como est√° a situa√ß√£o da Inglaterra com o coronav√≠rus?

UPDATE: Como está a situação da Inglaterra com o coronavírus?

Desde outubro do ano passado, praticamente só choveu aqui na Inglaterra. Apesar de não ter sido um inverno tão rigoroso, foram poucos dias de sol e ansiávamos por isso.

E o que isso tem à ver com o coronavírus? Bem, justamente quando começou o isolamento social, em torno de umas 2 semanas atrás, o sol resolveu aparecer em todo seu esplendor e o céu quase sem nuvens.

Resultado: s√°bado e domingo os parques e praias estavam cheios de pessoas e filas nos ‚ÄúFish & Chips‚ÄĚ e demais barraquinhas de comidas e tal.

Na Segunda-Feira, dia 23/03, o Primeiro Ministro Boris Johnson fez um pronunciamento sendo um pouco mais categórico e quase implorando para as pessoas ficarem em casa. O lema aqui é: salvar o NHS (SUS daqui).

Os caf√©s, pubs, restaurantes e diversas atra√ß√Ķes tur√≠sticas j√° haviam sido fechados, mas ele demandou o fechamento do com√©rcio em geral.

As novas medidas s√£o de que podemos sair de casa apenas por uma dessas 4 raz√Ķes:
Рcompras de necessidades básicas, como alimentos e medicamentos, que devem ser o menos frequentes possível;
– uma forma de exerc√≠cio por dia, por exemplo, correr, caminhar ou andar de bicicleta – sozinho ou com algu√©m que more na mesma casa que voc√™ e sempre mantendo a dist√Ęncia de 2 metros em rela√ß√£o a outras pessoas na rua;
Рqualquer necessidade médica ou para prestar assistência ou ajudar uma pessoa vulnerável;
– ir e voltar do trabalho, mas apenas se isso for absolutamente necess√°rio.

Como eles v√£o controlar isso, eu n√£o fa√ßo a menor ideia. Por√©m nos √ļltimos dias o parlamento aprovou diversas medidas dando mais poder √† pol√≠cia, podendo parar as pessoas na rua e dar multa se necess√°rio, principalmente em casos repetitivos.

Como moro aqui h√° mais de 15 anos, sei que na cultura brit√Ęnica, eles confiam muito na palavra e no bom senso uns dos outros. Portanto eu acredito que o governo est√° confiando que a popula√ß√£o siga essas regras.

Uma polêmica que está gerando aqui, é que algumas grandes construtoras não pararam seus serviços e o Prefeito de Londres já pediu ao governo para que essas empresas fechem também.

Inclusive o metr√ī continua lotado e boa parte dessas pessoas s√£o funcion√°rios dessas construtoras, al√©m de os servi√ßos de trem estarem sendo menos frequentes e com menos linhas funcionando.

No momento o metr√ī deveria estar mais vazio, respeitando-se a regra de 2 metros de distanciamento, para que trabalhadores da sa√ļde e demais profiss√Ķes chaves possam fazer seu trajeto com seguran√ßa.

Não sei se um lockdown obrigatório para todos não seria mais efetivo!

Sobre o mercado, ainda está aquela loucura de não ter diversos produtos em estoque: farinha de trigo, macarrão, ovos, sabonete para as mãos, álcool gel, o tão procurado (vai entender) papel higiênico e demais produtos não perecíveis e de limpeza, como a água sanitária.

Por√©m, eu imagino que logo isso vai acalmar, pois os mercados fizeram diversas restri√ß√Ķes, tais como:
– cada pessoa s√≥ pode levar um n√ļmero limitado de produtos essenciais (entre 1 √† 3 dependendo do produto e do supermercado);
– introduziram hor√°rios determinados do dia em que apenas idosos, vulner√°veis e deficientes ou funcion√°rios do NHS e outros trabalhadores importantes podem fazer compras;
Рalguns mercados estão começando a limitar o serviço de entrega apenas para pessoas idosas e vulneráveis;

Al√©m disso, medidas feitas na It√°lia e Espanha est√£o sendo introduzidas aqui, como demarca√ß√£o no ch√£o, tanto no exterior como no interior dos mercados, para que as pessoas mantenham a dist√Ęncia de 2 metros entre si; um seguran√ßa limitando o n√ļmero de pessoas que entram no mercado; e alguns mercados est√£o colocando telas de vidro para que o funcion√°rio do caixa e o cliente fiquem protegidos.

V√°rios supermercados est√£o cortando drasticamente a gama de produtos que vendem e est√£o pedindo aos fabricantes para parar de fabricar alguns produtos e focar naqueles para os quais h√° maior demanda.

No dia 26/03, o Chancellor Rishi Sunak, Ministro das Finan√ßas, anunciou o pacote destinado √† ajudar os profissionais aut√īnomos.

Esse pacote será igual ao que será destinado à todos os funcionários de empresas onde o empregador não conseguir pagar o salário nesse período de isolamento.
Ou seja, os trabalhadores aut√īnomos, que s√£o em torno de 3.8 milh√Ķes, podem solicitar uma concess√£o no valor de 80% de seus lucros m√©dios mensais dos √ļltimos 3 anos, at√© o m√°ximo de 2.500 libras por m√™s.

A notícia é ótima e deixa o país um pouco mais tranquilo no meio desse caos.

Também foi sancionada uma lei onde os inquilinos não podem ser despejados por falta de pagamento do aluguel nesse esse período de emergência.
Os proprietários deverão notificar todos os locatários com três meses de antecedência se pretenderem obter posse e esse período de aviso prévio de três meses poderá ser estendido, se necessário.

O setor privado de sa√ļde fechou um acordo com o governo, onde ir√° disponibilizar realocando quase toda a sua capacidade hospitalar nacional para o NHS.

O acordo – o primeiro deste tipo – inclui o fornecimento de 8.000 leitos hospitalares em todo o pa√≠s, quase 1.200 ventiladores e em torno de 20.000 funcion√°rios que ajudar√£o o NHS na luta contra o coronav√≠rus na Inglaterra. Esses tamb√©m ir√£o realizar outras cirurgias urgentes e tratamentos contra o c√Ęncer. Incr√≠vel n√£o?

A iniciativa veio ap√≥s o n√ļmero crescente de pessoas infectadas e mortas por causa do coronav√≠rus.

S√≥ entre o dia 26 e 30/03 morreram mais de 600 pessoas infectadas, levando o n√ļmero de mortos aqui na Inglaterra a quase 1.300 e mais de 16 mil casos confirmados de pessoas infectadas, sendo a grande maioria aqui em Londres, inclusive o Primeiro Ministro Boris Johnson, o Ministro da Sa√ļde e o Pr√≠ncipe Charles.

Infelizmente sabemos que a partir de agora os n√ļmeros s√≥ ir√£o subir e o pico estar√° chegando. Inclusive aqui em Londres, j√° est√° tendo falta de leitos nas UTIs.

Para homenagear esses profissionais da sa√ļde que est√£o colocando suas pr√≥prias vidas em risco, todas as Quintas-feiras √†s 20 horas, as pessoas sair√£o nas janelas para aplaudi-los. #clapforcarers

O Reino Unido doou 210 milh√Ķes de libras e √© agora o maior colaborador da coaliz√£o internacional para encontrar uma vacina contra o coronav√≠rus.

Conforme eu havia comentado no post anterior, o governo pediu para mais de 65 mil médicos, enfermeiras e demais aposentados do NHS, voltarem a trabalhar, para ajudar nesse momento crítico. Mais de 11 mil já confirmaram que estarão voltando às atividades.
Bombeiros, policiais e ex-motoristas de ambul√Ęncia aposentados tamb√©m foram contactados para voltarem a trabalhar.

E pra essas pessoas, fica aqui a minha sincera admiração. Afinal, se são aposentados, são do grupo de risco e estão literalmente colocando a vida deles em risco em prol do próximo!

O governo avisou que estaria precisando de 250.000 voluntários para ajudar os idosos e demais pessoas que estão em isolamento obrigatório, entregando alimentos e medicamentos, levando os pacientes às consultas, telefonando para os isolados e diversas outras atividades.
Mais de 500.000 pessoas se voluntariaram em pouco mais de 24 horas.

Enquanto isso no Brasil, ficam brigando por política e numa guerra virtual para mostrar quem está certo e quem está errado.
Aqui o povo está se unindo, ao invés de se dividir. Agora é um momento de união entre todos e o Brasil ainda tem a chance de fazer isso antes de sofrer um impacto muito maior
Talvez seja hora dos brasileiros refletirem sobre isso!

Compartilhe:

Deixe seu recado:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 coment√°rio

  • Correto o que falou fo Brasil. Cert√≠ssimo. Mas s√≥ por Deus mesmo dar um jeito nesses pol√≠ticos.

error: